Nesta seção, conheça as várias pesquisas e cases de sucesso do QUANTEC® dentro da Agricultura e da Pecuária. Esperamos que aprecie as informações e que elas possam ser úteis na composição do entendimento sobre o potencial de um tratamento bem orientado. 

O Canto no forno

022_po_canto_horno - Titulo.JPG

Efeitos do QUANTEC® com as Sementes de Ervilha


Na presente pesquisa se há demonstrado, pelos testes de germinação de sementes de ervilha e o crescimento de suas raízes, que o tratamento com QUANTEC® (protocolo de terapia), promove o crescimento das raízes, com uma influência sobre seu comprimento que se situa entre o 35 e o 50% em relação ao controle sem ondulações. Mostrou-se que QUANTEC® forma um escudo térmico quando se submete aos sementes de ervilha a estresse (de 20 a 30 minutos a 80°C) de jeito que o crescimento das raízes de ervilhas ondulas não se veem influenciadas pelo efeito do calor, enquanto que as ervilhas não onduladas se reduzem consideravelmente.

O Kybalión, um antigo texto filosófico atribuído a Hermes Trismegistus, tem como primeiro princípio o seguinte: "O Todo é mente, o universo é mental" . Em nossas ciências naturais modernas, a mente nem sequer aparece, ou seja, está implícito, mas às vezes também expressa, a hipótese de que só a matéria pode influenciar a matéria, costumamos entender que a mente é reduzida a um efeito da sombra da matéria, ou, na melhor das hipóteses, é aceito como um assunto de outras ciências parciais, tais como as ciências filosóficas que, por sua vez, tampouco se aceitam realmente como uma ciência no sentido estrito. 

Expandindo nessa posição é que: não há uma causa mental de transformações materiais. Neste sentido, vemos no processo das ciências naturais o contraste perfeito para o primeiro princípio do Kybalion. As promessas que se formulam em relação com a radiônica e, mais especificamente, utilizando o QUANTEC®, desafiam diretamente esta opinião e confessamos que, inicialmente, nós éramos muito céticos em relação a estas afirmações. No entanto, os autores sempre foram da opinião que a ciência é algo que gera conhecimento e que, portanto, o dogmatismo de qualquer cor está fora de lugar, quando é possível forjar declarações de certas experiências, ou em caso de falhar a tentativa de falsificação aceitar a tese até novo aviso .

 

As declarações e promessas feitas a QUANTEC® sobre a cura de pacientes, os efeitos positivos no crescimento das plantas, a purificação das águas, ou mesmo o auge de empresas estimularam a nossa ambição para testar essas alegações com métodos científicos. concorde com nosso próprio entendimento, nós fomos os mais neutros possíveis em relação aos possíveis resultados, ou seja, que nos pareciam igualmente possíveis tanto uma confirmação como uma refutação dos efeitos. Por este motivo, quisemos encontrar um sistema modelo que, pelo menos num nível simples, pudéssemos chegar a afirmações claras em relação a um efeito de ondulação com QUANTEC®. Dado que um de nós tem muitos anos de experiência no campo da fisiologia vegetal, foi proposto escolher como um sistema modelo uma planta adequada e realizar ensaios de germinação, pois os parâmetros controlados sobre os que devia influir QUANTEC® deviam ser simples, reprodutíveis e o mais precisos possíveis com os meios disponíveis, visto que não há dinheiro disponível para a investigação nem dos laboratórios universitários.


Após alguns testes preliminares com sementes de hortaliças diversas, finalmente foram escolhidos os sementes de ervilha, porque suas radículas podem ser medidas bem e, além disso, eram robustos o suficiente como para sobreviver durante o período de uma campanha de medição (entre 120 e 150 horas), assim como ao processo de medição e do perigo de uma fungosis. Com este sistema, todos os testes foram realizados em condições diferentes, dos quais só se relata um, um ensaio particularmente exemplar.

Nosso objetivo: apresentar o efeito de QUANTEC® num organismo biológico não manipulável

Enquanto os efeitos do QUANTEC® sobre o estado físico de uma pessoa apresentam um sistema com muitas facetas diferentes e, portanto, resta a objeção de que os sucessos de cura de QUANTEC® poderiam ser simplesmente medidas e e resultados sugestivos, nosso objetivo foi, portanto, apresentar o efeito do QUANTEC® sobre um organismo biológico não manipulável. Este processo de medição é chamado de bioindicação. São chamados bioindicadores os organismos vivos que respondem às influências externas de qualquer jeito com alterações mensuráveis em suas funções vitais. O sistema vegetal escolhida, que se baseia no crescimento, relativamente fácil de medir, as radículas de sementes de ervilha como função vital com ou sem tratamento com QUANTEC®, pareceu ser ideal pelas razões acima mencionadas.

Como fator adicional nos propusemos a introdução no ensaio um fator de estresse para as sementes de ervilha que tinham que simular a situação de uma doença que ocorre com frequência nos sistemas reais. No nosso caso, nós decidimos sobre o efeito do calor, que impede, de maneira natural o crescimento das radículas. Isso deve permitir comparar a influência de QUANTEC entre um sistema vegetal "sem estresse" e outro "estressado" e, portanto, responder à questão de saber se QUANTEC® pode compensar totalmente ou pelo menos parcialmente o efeito de dessecação dos sementes de control que não receberam o tratamento com QUANTEC®. Uma abordagem desse tipo pode ser interessante mesmo para os testes sobre a agricultura.

A seguir descreve se em detalhes o sistema vegetal que usamos, antes de apresentar os resultados sem e com o tratamento com QUANTEC®.

Os grãos foram separados em dois grupos iguais, um programado para a ondulação com QUANTEC® e outro que devia servir como uma amostra de controle e não receberia nenhuma ondulação com QUANTEC® (noQ). Ao utilizar o fator de estresse "calor", submeteram sementes de ervilha não embebidas a uma fonte de calor de 80 graus Celsius, durante 20 min. e 30 min. respectivamente, antes de pôr as em água durante 7 horas e depois colocá-las em placas num ambiente úmido para que germinarem as raízes. Um tercio do grupo de controle e um tercio do grupo de ondulação, deixaram se sem o tratamento térmico.

Assim surgiram os seguintes 6 lotes seguintes com 10 sementes de ervilha cada um.

Semondulação: Contr noQ, 20 min noQ, 30 min noQ
Comondulação: Contr Q, 20 min Q, 30 minQ

Na utilização do tratamento com QUANTEC®, as ervilhas correspondentes foram onduladas continuamente a partir de 30 min. antes de iniciar o tratamento térmico usando um HealingSheet pertinente (exemplo fig. 7 "Escudo térmico contra o calor"); essa ondulação continuou durante 20/30 minutos de tratamento térmico a 80 ° C e também continuou por 30 minutos mais, sem calor neste caso. Após das 7 horas imediatamente após à imersão, o HealingSheet tinha por objetivo enviar opções apropriadas para o grupo de ervilhas (cada 1,2 h / 19 seg. por aproximadamente 10 dias). A medição de brotos de raiz foi realizada em intervalos de tempo de cerca de 12 horas.

Em total, foram realizados cinco ensaios com carga de calor, os resultados foram semelhantes mostrando apenas algumas diferenças entre eles. Em todos os ensaios, QUANTEC® teve uma influência positiva sobre a restituição das sementes de ervilha expostos ao calor, em comparação com os grupos de teste igualmente expostos, mas não ondulados; além disso, a extensão dessa influência dependeu do dano prévio dos sementes, o que foi difícil de quantificar. Destes cinco ensaios é aqui apresentado um com os resultados individuais precisos. Os gráficos mostram o comprimento médio correspondente das raízes dos 10 sementes de cada um dos seis lotes. A metade destes ensaios foram realizados utilizando o procedimento duplo-cego para excluir qualquer possibilidade de manipulação desde o início. No entanto, isso não foi muito eficaz, porque depois de um tempo curto de germinação, um observador imparcial podia ver qual lote não tinha sido tratado.

A figura 1 mostra o crescimento de raízes de sementes de ervilha (em cm) ao longo do tempo de germinação (em horas), sem ondulação com QUANTEC®, depois de 132 horas, as raízes sem tratamento térmico (= valores de controle) mostraram um comprimento de cerca de 4 centímetros, em comparação com as raízes com tratamento térmico, que apenas mostraram 0,55 (após 20 min.) e/ou 0,45 centímetros (após 30 min.).

022_po_canto_horno - Fig. 01.JPG

Figura 1: raízes de ervilhas sem ondulação: controle sem ondulação (Contr noQ)

Efeito do calor de 80 ° C: 20min (noQ) e 30min (noQ) durante a germinação

022_po_canto_horno - Fig. 02.JPG

Figura 2: Raízes de ervilha com ondulação: controle com ondulação (Contr Q),
Efeito do calor de 80 ° C: 20min (Q) e 30min (Q) durante a germinação

A fig. 2 mostra o mesmo padrão de crescimento, mas com ondulação com QUANTEC®. Aqui você pode ver claramente que graças a ondulação tanto as mostras de controle como aquelas tratadas com calor presentabam um crescimento estimulado em comparação com as mostras não onduladas.

022_po_canto_horno - Fig. 03.JPG

Figura 3: Reação base da ondulação com QUANTEC® a fim de aumentar o crescimento, sobre as mostras de controle não tratadas com calor (Contr noQ vs. Contr Q)

O efeito do tratamento com QUANTEC® sobre as mostras de controle volta a mostrar-se na figura. 3, em que as amostras de controle, após 132 horas de germinação sob ondulação, apresentam 5,5 cm de comprimento, um 40% maior do que as amostras de controle não onduladas.

 

Embora o crescimento de raízes de ervilha não onduladas foi mínimo após um tratamento térmico, as raízes das ervilhas onduladas aumentaram até o 80% do valor de controle coparável (fig. 4) após uma carga térmica de 20 minutos ou até quase o 50% do valor de comparação sem carga se o tratamento térmico foi de 30 minutos (Fig. 5).

022_po_canto_horno - Fig. 04.JPG

Figura 4: raízes de ervilha com e sem ondulação: após a carga térmica de 80° C: 20 min (Q / noQ) durante a germinação, incluindo 1 desvio padronizado.

022_po_canto_horno - Fig. 05.JPG

Fig. 5: raízes de ervilha com e sem ondulação: após a carga térmica de 80 º C: 30 min (Q / noQ) durante a germinação

Na fig. 4 nós vemos as curvas de 20 min Q e 20 no Q desviações padrão para baixo ou para cima. Já que as linhas do gráfico (em oposição aos da fig. 5, onde foram tiradas por esse motivo) não se sobreponham, mas permanecem disjuntivas, podemos dizer que o nível de um desvio-padrão pode garantir estatisticamente o efeito significativo da ondulação com QUANTEC® frente ao lote não ondulado, pelo menos para as mostras submetidas a uma carga térmica de 20 min. A experiência de quem trabalha com material biológico é que estas linhas podem se tocar frequentemente devido à heterogeneidade natural do material biológico, pelo tanto não podem ser feitas declarações significativas. Isso, no nosso caso, também é válido para o restante dos 4 ensaios de carga térmica, onde não pode fazer-se esta declaração tão determinante, devido à sobreposição.

Os diagramas representados nas figs. 1-5 são documentados com fotografias (fig. 6), nas que as figuras 6a e 6b mostram as raízes de sementes de ervilhas não submetidas ao tratamento térmico (fig. 6a sem ondulação após 132 h de germinação e fig. 6b com ondulação e 132 horas de germinação). Pode ser claramente reconhecido que as raízes de ervilhas da fig. 6b mostram um crescimento mais forte do que na fig. 6a.

022_po_canto_horno - Fig. 06a.JPG

Fig. 6a: controle sem ondulação
(sem calor, após 132 h de germinação)

022_po_canto_horno - Fig. 06c.JPG

Fig. 6c: raízes de ervilha sem ondulação
(20 min. de calor, após 132 h de germinação)

022_po_canto_horno - Fig. 06b.JPG

Fig. 6b: controle com ondulação
(sem calor, após 132 h de germinação)

022_po_canto_horno - Fig. 06d.JPG

Fig. 6d: raízes de ervilha com ondulação
(20 min. de calor, após 132 h de germinação)

022_po_canto_horno - Fig. 06e.JPG

Figura 6e: raízes de ervilha com ondulação
(30 min. de calor, após 132 h de germinação)

Nas Figs. 6c e 6d mostram as raízes de sementes de ervilha tratadas por 20 min. com calor, na fig. 6c sem ondulação, em 6d com ondulação. A fig. 6e mostra as raízes onduladas das sementes tratadas termicamente durante 30 min. As ervilhas não onduladas são semelhantes no crescimento de suas raízes aos da figura 6c (compare também com a fig. 1), pelo que não têm sido mostrados separadamente aqui.


Em geral, nas ilustrações fotográficas (fig. 6) pode ser apreciada uma correspondência com os esquemas da fig. 1 ou 2.


Com estes resultados podem mostrar-se de forma clara e metodologicamente que o nível mais básico do procedimento científico os tratamentos com QUANTEC® têm uma influência decisiva na germinação de ervilhas e no correspondente crescimento das raízes, um resultado que também pode se manifestar nas 4 experiências que não são mostradas aqui:
Após o tratamento com QUANTEC®, sem a influência de fatores de estresse foi obtida como médio de crescimento um aumento de entre 35 e 50% em comparação com as mostras não onduladas.

 

Incluindo em nossos resultados os fatores de estresse (aqui 20 e 30 min a 80° C) pode-se afirmar que QUANTEC® é capaz, pela sua ondulação, de estabelecer um escudo térmico para sementes, resultando em uma restituição expressa do equilíbrio enzimático, embora isso não foi considerado nos análises presentes. Não é capaz de compensar uma possível falta de nutrientes, vitaminas e minerais tais como a água, permitindo que as ervilhas se comportarem como se a situação térmica só os tivesse estressado apenas.


Já que o dispositivo QUANTEC® estava a mais de 10 metros das sementes de ervilhas onduladas e até numa sala separada, podemos partir do pressuposto de que a ondulação é um efeito remoto do dispositivo. É razoável pensar que as afirmações claramente estabelecidas e efetivas (fig. 7) têm um efeito mental sobre o crescimento das raízes das ervilhas, têm quebrado o axioma básico da ciência natural, isto é, que a mente não pode influenciar na matéria. Os cientistas imediatamente rejeitaram esta declaração e argumentaram que a prova da eficácia da mente sobre a matéria se baseia apenas num único desvio do padrão, com o que é insuficiente para uma declaração tão importante. Em sua opinião seria necessária uma separação das curvas de 3 desvios padrão (regra sigma 3). Incapazes de produzir essa prova na atualidade, com o atual modelo de projeto vegetal, visto que para todos nós é sabido que o uso de material biológico envolve, inevitavelmente, uma grande mudança no valor médio. Este efeito só poderia ser obtido com um grande número de casos que não foi possível no sistema vegetal utilizado. Outros usuários podem se animar a realizar testes mais extensos usando umas análises mais avançadas e sofisticadas.


No entanto, para a visão pragmática dos usuários, os resultados presentes podem confirmar que QUANTEC® é capaz de "fazer" as afirmações oferecidas no sistema biológico. Isso também pode se justificar uma transferência dos resultados apresentados sobre o efeito terapêutico
do QUANTEC® em seres humanos.

022_po_canto_horno - Fig. 07.JPG

QUANTEC® projeta luz sobre a escuridão


Plantas na escuridão reagem à luz solar virtual

Depois que os professores Stefanie Rogalla e Heinz Krönke puderam demonstrar em um prévio ensaio de laboratório que os germes ondulados com QUANTEC® superaram praticamente sem estragos, ao contrário de outros germes não ondulados, o stress provocado pelo calor de um forno, encerrou outra série de ensaios com o seguinte resultado: as plantas na escuridão reagem a uma luz solar virtual "emitida" por um equipamento QUANTEC® localizado em outro local, a 10 metros de distância.

O ensaio de laboratório

As plantas apresentam, na escuridão e na luz, reações típicas tanto químicas como físicas. Assim, por exemplo,
durante a noite os pequenos poros (estomas) na parte inferior da folha se fecham; Stefanie Rogalla já tinha investigado, anteriormente, os estomas e ela é internacionalmente reconhecida nesse campo. Deste modo, ela não teve nenhum problema em preparar a parte inferior das folhas da erva dos cônegos para o ensaio e examiná-las sob o microscópio em uma solução de nutrientes.

Como este ensaio é baseado nas reações dos estomas, descrevemos aqui com as palavras textuais de Stefanie Rogalla:
 

“Os estomas são pequenos poros (aprox. 40 x 40μm) localizados na parte inferior das folhas que são submetidos a um processo de regulação muito complexo, altamente sensível e cibernético que, além disso, é estimulado bioquímica e biofisicamente. São de vital importância para o potencial de sobrevivência das plantas, porque se fecham na escuridão quando faz muito calor e quando são detectadas substâncias nocivas ao ambiente. Deste modo, a planta otimiza o balanço hídrico, ou seja, limita a transpiração expulsando em menor quantidade água em forma de gás. Entretanto, nestas condições, a planta também não pode absorver do ar o dióxido de carbono necessário para a fotossíntese com o objetivo de gerar sua biomassa por meio da produção de amido para seu próprio crescimento. Ao contrário, quando existe luz e diante da presença de íons de potássio, os estomas se abrem, aumenta a eliminação de água na atmosfera em forma de gás e a planta transpira com mais intensidade; embora o balanço hídrico diminua, a planta absorve mais quantidade de CO, tão importante para o seu crescimento com o objetivo de sintetizar hidratos de carbono, entre outros, mediante complicados mecanismos metabólicos. As condições meio-ambientais (por exemplo, temperatura, luz, escuridão, seca, substâncias nocivas) obrigam a planta a adaptar, com rapidez, a abertura dos seus estomas para poder sobreviver. A planta deve equilibrar o fluxo de CO que recebe quando os estomas estão abertos e ocorre perda de vapor de água, ou seja, deve compensar a abertura dos estomas para não perder muita água e, por sua vez, poder absorver o CO necessário durante a fotossíntese, que ocorre apenas durante o dia. Uma falha de adaptação pode lhe custar muito caro: ou morre de sede (balanço hídrico negativo) ou morre de fome (balanço de carbono negativo). E tal “dilema” deve ser resolvido.”

. . . E houve luz.
(Génesis 1,3)

Portanto, normalmente os estomas estão fechados na escuridão. A abertura e o fechamento dos estomas ocorre na planta com ajuda dos íons de potássio.


Rogalla e Kronke avaliaram 400 estomas por ponto de medição que estavam na total escuridão e que foram ondulados
com informação de luz e potássio por QUANTEC® de outro local, distante uns 10 metros. A abertura dos estomas foi avaliada depois de quatro, sete e dez horas.

Os pesquisadores comentaram o seguinte na sua publicação sobre os resultados:

023_po_luzEscuridao - Fig. 01.JPG

Fig.1: estomas fechados na escuridão

023_po_luzEscuridao - Fig. 02.JPG

Fig.2: também na escuridão, mas estomas abertos graças à luz solar virtual (ondulação com QUANTEC desde outra habitação)

023_po_luzEscuridao - Fig. 03.JPG

Fig. 3.

“Passadas quatro horas de incubação e depois da ondulação com QUANTEC®, pode-se medir uma abertura maior:

enquanto que os estomas na escuridão sem íons de potássio e sem nenhum tipo de ondulação mostravam uma abertura
média de 0,5 m (n=400 estomas medidos), sob os efeitos da ondulação e depois do mesmo tempo (4h), os estomas se abriram até 2,5 m, quer dizer, pode-se medir uma abertura dos poros do fator 5 (!).”

Para conseguir provar a reprodutibilidade da sua série de ensaios, os pesquisadores fizeram os testes três vezes. Para poder apreciar melhor o trabalho que resultou nesta série de medições, deve-se levar em consideração que, além de preparar a parte inferior das folhas, foram medidas 400 aberturas de estomas, por ponto de medição, depois de 4, 7 e 10 horas. Ou seja, 1.200 medições por série para duas curvas, quer dizer 2.400 medições sob o microscópio.

Este estudo demonstra cientificamente que QUANTEC® tem efeito sobre as plantas.

Resumo

Neste caso pode-se avaliar que com um equipamento QUANTEC® (que nem sequer está perto das plantas) é possível
simular o efeito da luz solar nas plantas.

 

Em combinação com o estudo anterior, que demonstrou que os germes podem sobreviver sem estragos a um calorífico de 80 C em um forno graças à ondulação com um programa protetor, agora se pode recomendar QUANTEC®, do ponto de vista científico, para ser utilizado na agricultura.

 

Na prática, QUANTEC® já vem sendo usado há algum tempo neste campo, por exemplo, para melhorar a qualidade dos solos, regular o equilíbrio de água ou reforçar as plantas para lutar contra as pragas. Os bons resultados (www.quantec.es > Campos de aplicação) foram acolhidos com ceticismo, já que até agora não haviam sido obtidos sob condições científicas.

 

Finalmente esses dois estudos demonstraram isso. 

QUANTEC® na jardinagem - Uma florescente história de Viena

A doutora Andrea Pach, usuária de QUANTEC® com Consultório próprio em Viena (Áustria), aplica seu aparelho com sucesso em seus pacientes. Atualmente também é “Membro de QUANTEC-CONSULTING” o que equivale a um certificado da entidade QUANTEC®. (Veja também www.quantec.eu, link no menu sob QUANTEC CONSULTING > Coaching)

No começo da sua carreira com QUANTEC®, dona Andrea queria provar se era possível descartar o mero efeito placebo nos tratamentos e decidiu fazer um teste com duas jardineiras na frente da sua casa.

 

A jardineira da esquerda foi tratada com ondas QUANTEC®, a da direita não recebeu tratamento. A informação que QUANTEC® enviava para a jardineira da esquerda foi uma mistura de preparados naturais e afirmações, também contra a estiagem e o congelamento. Fora isto, ambas as jardineiras recebiam exatamente a mesma quantidade de água e fertilizantes. As condições de luz também eram idênticas . . . 

No dia 5 de maio foram plantadas as flores; em 14 de maio - nove dias depois- tinham o seguinte aspecto:

812_po_flores - Fig. 01.JPG

14 de maio: A jardineira da esquerda, exposta às ondas QUANTEC®

812_po_flores - Fig. 02.JPG

14 de maio: A jardineira da direita sem exposição às ondas

Em 19 de maio - cinco dias depois - na jardineira exposta a ondas de QUANTEC® já apareceram as primeiras Flores.

812_po_flores - Fig. 03.JPG

19 de maio: Jardineira da esquerda com ondas

812_po_flores - Fig. 04.JPG

19 de maio: Jardineira da direita sem ondas

No dia 4 de junho, a jardineira tratada com ondas de QUANTEC® já tem uma importante vantagem.

812_po_flores - Fig. 05.JPG

04 de junho: Jardineira da esquerda com ondas

812_po_flores - Fig. 06.JPG

04 de junho: Jardineira da direita sem ondas

Em 12 de junho, após uma semana de frio, a jardineira da direita, que não recebia tratamento, não tinha muito bom aspecto. O frio maltratou bastante as flores, as folhas murcharam. A jardineira da esquerda obviamente resistiu melhor ao frio.

812_po_flores - Fig. 07.JPG

12 de junho: Jardineira da esquerda com ondas

812_po_flores - Fig. 08.JPG

12 de junho: Jardineira da direita sem ondas

No dia 3 de julho, após uma semana de estiagem, com temperaturas muito elevadas, as flores na jardineira da direita, a que não recebia tratamento, sofreram ainda mais pelos efeitos climatológicos.

812_po_flores - Fig. 09.JPG

03 de julho: jardineira da esquerda com onda

812_po_flores - Fig. 10.JPG

03 de julho: Jardineira da direita sem ondas

Em 9 de julho, aproximadamente dois meses após a plantação, a diferença salta aos olhos:
 

812_po_flores - Fig. 11.JPG

09 de julho: Embora as cores da jardineira da direita (sem tratamento) conseguiram se recuperar um pouco, a diferença da jardineira da esquerda é muito marcante.

Esta experiência, no começo da sua carreira com QUANTEC®, fora os bons resultados do tratamento no seu consultório, foi para a doutora Pach, a base da sua confiança na biocomunicação instrumental com QUANTEC®.

QUANTEC® e agricultura 

Pode o QUANTEC® substituir a matéria por substância fina?
Uma interessante análise da agricultura

Resumo


Nosso cliente, o agricultor G. Bruns, utiliza seu QUANTEC® com sucesso na produção de leite, entre outras áreas. Já que também produz leite no inverno, na primavera ensila sempre grandes quantidades de capim como depósito de ração.

813_po_silagem - Fig. 01.JPG

Quando quis colher 30 hectares de forragem para ensilagem, -como faz todos os anos- percebeu, que havia esquecido providenciar suficiente inoculante de silagem, (os inoculantes de silagem aumentam o valor nutritivo devido à melhor fermentação por meio de várias linhagens de lactobacilos). Para os 30 hectares, segundo as instruções do fabricante, seriam necessários aproximadamente 100 kg de inoculante de silagem; no entanto, só ficou um resto de uns 15 kg.

No lugar de procurar os 85 kg restantes, tratou o capim ensilado com QUANTEC®. Quando foi aberto o silo, providenciou uma amostra do material e mandou analisá-la em um laboratório.

O resultado


O laboratório apresentou o resultado ao senhor Bruns e certificou o melhor dos níveis:
Destacável! (90 a 100 pontos)

813_po_silagem - Fig. 02.JPG

O informe completo

Utiliza-se a QUANTEC® na agricultura no mundo todo: no campo, na vinicultura, no cultivo de hortaliças e na pecuária, são alguns dos exemplos do amplo leque de possibilidades. Os agricultores apreciam QUANTEC®, porque ajuda a reduzir a quantia de fertilizantes e produtos químicos para pesticidas, ano após ano, sem abrir mão da quantidade ou da qualidade da colheita, muito pelo contrário.

Por um lado, isto supõe uma economia direta pela redução de custos de exploração e, por outro lado, se consegue que a produção provoque menos dano ao meio ambiente e inclusive pode se realizar a transição para um cultivo ecológico.

813_po_silagem - Fig. 03.JPG

O inoculante de silagem - um desafio muito especial

Pois bem, os inoculantes de silagem não são só uma substância, uma matéria, também se compõem de várias linhagens de lactobacilos, que melhoram a fermentação da silagem de forragem e, consequentemente, aumentam o valor nutritivo.
Trata-se portanto, de organismos que mediante seu metabolismo podem influir nos processos no interior dos silos. A pergunta que fica, se QUANTEC® é capaz de simular isto virtualmente, é respondida por nosso cliente, o agricultor
de leite, o senhor Gerriet Bruns:

813_po_silagem - Fig. 04.JPG

Ele utiliza seu QUANTEC® com sucesso na produção de leite, entre outras áreas. Haja vista que também produz leite no inverno, na primavera ensila sempre grandes quantidades de capim como depósito de ração.

Quando quis colher 30 hectares de capim para ensilagem, -como faz todos os anos-, percebeu que havia esquecido providenciar suficiente inoculante de silagem (os inoculantes de silagem aumentam o valor nutritivo devido à melhor fermentação mediante várias linhagens de lactobacilos). Para os 30 hectares, segundo as instruções do fabricante, teria precisado aproximadamente 100 kg de inoculante de silagem; no entanto, somente tinha um resto de uns 15 kg.

Então decidiu aproveitar esta situação de emergência como oportunidade para QUANTEC® e expor os silos às ondas. Mas, vamos por partes:

O senhor Gerriet havia encomendado a um carreteiro dois caminhões; estes caminhões dispunham de aparelhos dosadores para inoculante de silagem. Posto que não fazia sentido dividir os 15 kg que possuía nos dois caminhões, a quantidade de inoculante de silagem foi carregada em um só caminhão. O motorista deste caminhão baixou a dosagem a um nível bastante inferior ao nível recomendado pelo fabricante, para aproveitar o máximo possível o inoculante.

Depois, ambos os caminhões transportaram os carregamentos ao silo, de modo que a dosagem, que já era baixa, se reduziu outra vez pela metade, já que o segundo caminhão não levava inoculante de silagem. Quando encheu-se um terço do silo, o primeiro caminhão ficou sem inoculante de silagem; portanto o resto foi ensilado sem inoculante e o silo foi fechado.

 

Quando abriram o silo na época do inverno, o Sr. Bruns encomendou a extração de uma amostra. Este tipo de amostra se extrai mediante uma perfuração nuclear de cima embaixo, quer dizer, se introduz um tubo vazio no silo e em seguida se retira com a amostra. Desta maneira podem ser analisadas no laboratório todas as camadas existentes no silo. Já que não é tão fácil introduzir o tubo em todo o silo, deve se supor que a camada mais profunda, que é a que continha uma pequena dose do inoculante de silagem, nem sequer estava presente na amostra extraída.

O resultado da análise realizada no laboratório

Apesar disto, a análise do laboratório foi contundente. O resultado foi: máxima pontuação e nível de qualidade "Destacável" com 90 a 100 pontos. E há que considerar que os 15 kg em vez de 100 kg só constituíram o 15% da quantidade mínima recomendada!

813_po_silagem - Fig. 05.JPG
813_po_silagem - Fig. 06.JPG

QUANTEC® na agricultura
Análise casuístico de nitidulidae

814_po_nitulidae - Fig. 01.JPG

O barão Rudolph von Schröder (sítio Bliestorf) semeia a cada ano uns 3.500 hectares, dos quais em sequência de cultivos planta uns 500 hectares de colza.


Embora adquiriu originalmente seu QUANTEC® para o seu trabalho como treinador, também começou a  utilizá-lo rapidamente na sua empresa agrícola.

Para os 500 hectares de colza o aparecimento dos nitidulidae é um fator de elevação de custos. Além do mais, os nitidulidaes costumam apresentar com frequência uma resistência aos inseticidas.

Por isto, o barão von Schröder decidiu criar uma área zero de 5.000 m² (ou seja, meio hectare).

814_po_nitulidae - Fig. 02.JPG

Fonte Wikipédia

RESULTADO


Os 500 hectares apresentavam uma invasão de nitidulidaes e foram tratados com inseticidas; naturalmente, a área zero não recebeu tratamento. Poucos dias após da aplicação do inseticida se realizou a verificação com um resultado
muito surpreendente:

 

As plantas de colza não tratadas na área zero somente apresentaram o 6% da quantidade de
infestação de nitidulidae que se medira na superfície tratada com o inseticida.

 

O barão Rudolph von Schröder explica sobre este resultado tão surpreendente:

"Eu realizei esta experiência somente para mim mesmo. Meus procedimentos não suportariam um confronto com critérios científicos. Por exemplo, poderia ser que a área zero, por um acaso, estivesse em uma zona que desde o princípio tivera uma incidência menor de parasitas. Entretanto, para mim está claro que QUANTEC® fez a diferença e que este ano aumentarei as superfícies tratadas exclusivamente com QUANTEC®."

814_po_nitulidae - Fig. 03.JPG

Barão Rudolph von Schröder

Ajuda aos parasitas
Um novo ponto de vista sobre o problema dos parasitas


O título "Ajuda aos parasitas" se formulou assim, conscientemente, para que permita duas interpretações: a interpretação usual seria que alguém precisa de ajuda na luta contra os parasitas. No entanto, também pode ser interpretado no sentido de que são os parasitas os que precisam de ajuda quando se converteram em um problema contra o qual se deve agir.

815_po_rosas - Fig. 01.JPG

A outra face da moeda


O aspecto pouco considerado de uma praga em forma de parasitas é que este desequilíbrio na natureza, também pode se transformar em um problema para os parasitas. Uma reprodução descontrolada leva consigo problemas no  comportamento territorial, uma grande densidade de parasitas reduz o espaço vital de cada um dos animais e isto origina estresse. Além do mais, muitos animais consomem muito mais comida podendo originar escassez. O aumento de  uma espécie sempre traz consigo os depredadores, quer dizer, aqueles que comem estes parasitas, podendo se  reproduzir com rapidez graças à boa situação alimentar, com o qual, por sua vez, os parasitas correm um maior risco de serem comidos. No fim das contas, o desequilíbrio não é bom para ninguém na natureza, nem sequer para os parasitas. Este entendimento é importante porque a biocomunicação instrumental com QUANTEC® possibilita a solicitação de cooperação dos parasitas para o seu próprio bem.

815_po_rosas - Fig. 02.JPG

Os parasitas são necessários


Os parasitas são necessários para manter as espécies de animais que se alimentam deles. O problema da luta química é justamente porque se mata tanto os parasitas, que os predadores da região morrem devido à falta de alimento, ou, porque também são vítimas dos produtos químicos empregados. Como consequência, quando um campo não é borrifado contra os parasitas em questão, estes caem sobre ele como uma praga egípcia, porque não há ninguém que possa mantê-los sob controle. Este é um estado ideal para a indústria; os praguicidas se convertem em uma necessidade e em um produto que se vende sozinho..

O importante é o equilíbrio

Uma vez que estamos de acordo em que o importante não é eliminar parasitas, podemos colocar mãos à obra com QUANTEC®, para solucionar o problema e voltar a reproduzir o equilíbrio na natureza, que previamente fora destruído por nós mesmos: o ser humano.

 

Por exemplo: as rosas da Empresa QUANTEC®

 

Na entrada dos escritórios da Empresa QUANTEC GmbH há um longo canteiro de rosas.

815_po_rosas - Fig. 03.JPG

A grande quantidade de rosas é um destino muito apreciado para parasitas de todo tipo. Naturalmente, as rosas da empresa QUANTEC® não são nem adubadas e nem tratadas com produtos, nem sequer com produtos naturais. O tratamento destas rosas se realiza exclusivamente com QUANTEC® há vários anos.

815_po_rosas - Fig. 04.JPG

Este ano, nas rosas pudemos apreciar muitos icnêumones que vão a procura de pulgões.

Como é este tratamento na prática?
 

Para conservar o equilíbrio natural o seguinte procedimento demonstrou a sua eficácia:


1. A atração de animais benéficos.


Primeiramente devem estudar-se os aspectos destacados dos parasitas e doenças das rosas do próprio jardim. Se a gente
não domina muito bem este tema, sobre o que pode atacar e ser nocivo para as rosas, pode se procurar alternativas na Internet e consultar as páginas correspondentes, (por exemplo, em Wikipedia).

m seguida, deve informar-se sobre os inimigos naturais destes parasitas. Estes devem ser introduzidos na folha de tratamento de QUANTEC® (HealingSheet). Para este canteiro de rosas (veja abaixo, HealingSheet n.º 1).

815_po_rosas - Fig. 05.JPG

A ondulação das rosas com as imagens dos animais benéficos (ou seja, os animais que se alimentam dos parasitas correspondentes) faz com que o canteiro de rosas absorva estas ondulações e atraia especialmente a estas espécies de animais benéficos. Ali, se sentem bem, onde acontecem ondulações como as deles. Existem vários modelos explicativos para estas situações.

 

Outro efeito desta ondulação, é que o instinto adverte aos parasitas, porque tudo aponta a que há  um inimigo nas proximidades. Na natureza esta advertência instintiva só se percebe quando o inimigo já está na parte inferior da folha. Deste modo a natureza não percebe o efeito QUANTEC® e, os parasitas evitam instintivamente as plantas que emitem as mesmas ondulações dos seus inimigos.

 

Enquanto se dão estes dois fatores, o problema começa a ser desarmado claramente.

2. O uso de nosódios


Com o uso de nosódios pode se reduzir adicionalmente o número de parasitas. Os nosódios são remédios homeopáticos que se obtêm normalmente das doenças. O princípio reside em que a potencialidade homeopática faz de qualquer doença um medicamento que cura justamente essa doença. No entanto, os nosódios também se utilizam para espantar os parasitas (por exemplo, o nosódio da amálgama) e em consequência, os nosódios que se obtêm de parasitas – no caso de QUANTEC® com imagens dos parasitas – os expõem a oscilações homeopáticas desagradáveis.

Desta forma, uma estadia breve no canteiro de rosas aparentemente não é um problema. Mas, outra coisa é se instalar e criar descendentes em um hábitat que em i te as mesmas ondulações dos inimigos que querem comê-lo e, aonde se está submetido às próprias ondulações homeopaticamente invertidas. (veja o HealingSheet n.º 1).

Além disto, existem doenças nas rosas, como por exemplo, míldio, manchas nas folhas ou folhas podres, para cujos causadores não é tão fácil encontrar animais benéficos. Neste caso são os nosódios os encarregados da função de proteção (veja HealingSheet 2).

815_po_rosas - Fig. 06.JPG
815_po_rosas - Fig. 07.JPG

3. Proteção e fortalecimento das plantas

Naturalmente, também podemos enfrentar os parasitas e as doenças fortalecendo as rosas e seu sistema imunológico.

 

Em primeiro lugar devemos prestar atenção no solo. Um escaneado com QUANTEC®, especialmente com os bancos de dados agrários, dá os primeiros esclarecimentos e se pode ondular de imediato. Se as rosas estão bem nutridas desde o solo, se produzem todas as condições primárias necessárias. Neste caso, como dissemos, não há necessidade de adubar substancialmente, a vibração com QUANTEC® costuma ser suficiente.

 

Em segundo lugar devemos procurar que as rosas estejam em um ambiente agradável para elas.

O canteiro deve estar livre de ervas daninhas, e para isto se cobre com uma camada de cascas de tronco que, além disso, evita que o solo seque durante longos períodos de tempo bom.

815_po_rosas - Fig. 08.JPG

Também, na imagem superior podemos observar que colocamos uma grande pedra natural no canteiro, que as rosas já
cobriram quase por completo. A pedra absorve calor durante o dia e o libera pela noite; esta pedra pode inclusive manter afastado o orvalho quando faz muito frio.

E para a beirada da rua as rosas estão protegidas por uma barra lateral para que nenhum carro passe por cima ou para que não queimem com o asfalto nos dias de muito calor.

Na imagem inferior pode ver-se que foi plantada lavanda entre as rosas; a lavanda mantém afastados das rosas e seu entorno a muitos parasitas graças ao seu cheiro acentuado.

815_po_rosas - Fig. 09.JPG

O assunto da lavanda foi um teste para QUANTEC®: as áreas com plantas de lavanda teriam menos parasitas que a área (mais extensa) na qual não se plantara nada? 

Após cinco anos com esta distribuição experimental, podemos dizer que não existe nenhuma diferença entre as áreas com e sem lavanda: QUANTEC® faz seu trabalho sem ajuda.

E finalmente, porém nem por isso menos Importante: além do tratamento puro para atrair animais benéficos, nosódios, a ondulação do solo e uma afirmação com a qual antecipamos o resultado obtido, as rosas recebem também, meios homeopáticos, florais de Bach, terapia da cor e muito mais que QUANTEC® determinou como adequado para estas rosas, em um escaneado.


E atenção e amor...

Nós gostamos da nossa entrada de rosas. Dizemos às rosas que são bonitas. Estamos muito satisfeitos de que sejam bonitas e que deem tanto valor a nossa entrada.

Isto não é eternamente mais maravilhoso que tão somente pôr adubo e matar todo o que incomode?

DEUS dorme nas pedras, respira nas plantas, sonha nos animais e acorda no ser humano.

815_po_rosas - Fig. 10.JPG

QUANTEC® e Agricultura - Estufa de tomate
Experiência da Juan M. Gómez


Bio-comunicação Instrumental em uma estufa de Tomates


Normalmente eu ofereço as terapias com o QUANTEC® a pessoas, porém, com base nos benefícios que os próprios pacientes experimentam em seus tratamentos, eles também me indicaram o mundo veterinário e agrícola.
A minha experiência mais recente é com a Sra. Dora E. Sauceda, que é proprietária de uma estufa de tomate huaje, que ela construiu recentemente.

A Sra. Sauceda me informou a respeito de suas principais preocupações, ainda que a estufa tenha sido construída como deveria ser, o tempo da construção foi além do estimado e as despesas se elevaram, a isso somou-se o fato de que a terra não fora preparada adequadamente com os fertilizantes e o adubo orgânico para a plantação de tomates. 

 

Como se fosse pouco, os tomates estavam sofrendo com um fungo chamado "Tizón", que é de um tipo muito agressivo e que ataca o talo das plantas, comendo-o até que a planta sem força, cai e morre. Além disto, a possibilidade de mais plantas se contagiarem era muito alta.

Disse à Sra. Sauceda que colocaria tudo o que estivesse a meu alcance para ajudá-la.

 

As questões a considerar eram:

  • A terra e as plantas com déficit e nutrientes

  • Ataque do fungo “Tizón” Variação da água

  • A dona da estufa sob estresse, o  qual repercute também nas mesmas plantas

 

Foram tomadas "mostras fotográficas" que me ajudaram a criar os healing sheets; eu sabia que não poderia deixar de fora nenhum detalhe, assim tirei fotografias da terra, plantas sãs e doentes, e  também tirei fotografias do tanque de água onde se armazena a previamente a rega da estufa.

Iniciamos o tratamento em 9 de setembro de 2011, praticamente 1 mês depois de ter visitado a estufa a Sra. Sauceda está feliz de ver seus tomates crescerem de forma extraordinária, cabendo lembrar que a terra não foi preparada. Os agrônomos assessores estão surpresos pelo bom tamanho que se apresentam, inclusive maiores do que os das estufas vizinhas, onde a terra havia sido preparada.

 

A ameaça do tizón desapareceu completamente; os agrônomos prognosticaram uma quebra de safra acima de 40% na estufa, porém a quebra nem chegou a 3%.

Atualmente a estufa continua a seguir o tratamento com QUANTEC® , aguardando-se um recorde na colheita!

Saudações de Monterrey, México.
Juan M. Gómez

Antes do QUANTEC® tratamento

820_po_tomates - Fig. 01.JPG

Foto # 1: Estufa de tomate (antes do tratamento)

820_po_tomates - Fig. 02.JPG

Foto # 2: É possível perceber na superfície da terra como o talo está a ponto de quebrar por causa do fungo (seta).

820_po_tomates - Fig. 03.JPG

Foto # 3: outra série de plantas doentes

Resultados após o QUANTEC® tratamento

820_po_tomates - Fig. 04.JPG

Foto # 4: Crescimento sadio e forte das plantas de tomate (após o tratamento)

820_po_tomates - Fig. 05.JPG

Foto # 5: O tamanho dos tomates é excelente!

QUANTEC® e Agricultura

Batata em forma de coração

 

Semeia com amor e sempre desfruta da colheita
 

Recebemos o seguinte relato dum usuário QUANTEC® :

"Nossas plantas de batata sofrerão consideráveis prejuízos com as geadas durante uma onda de frio extraordinário. Fotografei as plantas danificadas e desenvolvi os HealingSheets correspondentes com o programa QUANTEC® para salvar as plantas de batata. Temos também enviado mensagens para as plantas de batata para expressar nosso amor e gratidão. Aproximadamente um 60% das plantas de batata se recuperaram. (Outros agricultores vizinhos conseguiram salvar apenas 10% da colheita da batata).

No entanto, quando começamos a colher descobrimos algo que não podíamos acreditar: muitas batatas tinham forma de coração. Até agora não ouvi ou vi nada sobre batatas em forma de coração." – Agricultores QUANTEC®.

O programa foi aplicado ao campo de batatas antes da onda de frio. Depois dos danos causados pela geada foram gerados outros HealingSheets, veja alguns exemplos dos resultados:

"Germinação das sementes al 100%";
"Crescimento perfeito em todos os estados“;
"As batatas foram totalmente recuperadas dos danos causados pela geada“;
"As batatas estão protegidas de todas as condições adversas do ambiente“.

821_po_batata - Fig. 01.JPG

Aplicação do QUANTEC® em empresas agrícolas desde o 2007 até o 2010

 

Tenho testemunhado o uso do QUANTEC® para fortalecer e promover a vitalidade das plantas e árvores. QUANTEC® tem provado ser uma contribuição extremamente valiosa para colher os produtos da mais alta qualidade, para guardar o fertilizante e reduzir significativamente a dependência de pesticidas prejudiciais. Além disso, a contribuição mais valiosa para a horticultura e a agricultura é que ela é capaz de restaurar o equilíbrio do solo, as plantas e a natureza em geral. Contudo, a experiência também nos mostrou que esse equilíbrio não é restaurado de uma única vez, mas em várias fases e durante um determinado período.

A seguir descrevemos alguns dos resultados já obtidos:

Nutrientes

Após do tratamento com as plantas e as árvores, estes apareceram com um verde muito mais intenso e pareciam mais saudáveis e despessos. As hortaliças e frutas deveram se abonar muito menos, e, qualitativamente, os rendimentos obtidos foram muito bons. O valor do pH do solo, que era extremamente alto em nossa área, caiu para um nível que  permite a máxima absorção dos nutrientes.

Insetos

Também tem um valor inestimável na luta contra pragas, reconhece os insetos nocivos e se comunica com seus inimigos naturais, mediante as frequências correspondentes, ao fim de atraí-los e assim eliminar as pragas. Tomaram se fotografias das áreas atingidas e entraram se num computador.

Detalhes dos resultados obtidos: 

Lagostas

Durante uma praga de gafanhotos particularmente dura, vieram grandes bandos de aves de rapina que comiam esses insetos irritantes. Os gafanhotos não foram eliminados em todos, mas muitos deles serviram de alimento para aves
e não tivemos que usar produtos químicos para salvar a colheita.

821_po_batata - Fig. 02.JPG

Formigas e cupins

As formigas e os cupins são um grande problema, especialmente quando vivem sob as árvores de citrinos. Neste caso,  também ajudaram os inimigos naturais: muitas galinhas-d´angola procuravam o seu alimento sob as árvores. Embora não seja completamente eliminado o problema das formigas, as galinhas-d´angola mantê-las afastadas.

Grilos

Durante uma praga de grilos e num período de duas semanas, vieram enormes bandos de garças na área afetada resolvido o problema. Também diminuiu a população de ratos. Foi possível detectar animais daninhos e doenças antes que elas tinham o potencial para causar grandes problemas. Com a ajuda de apenas o QUANTEC® teve de tomar medidas mínimas que não são tóxicas, nem tem uma influência prejudicial sobre o meio ambiente.

Insetos benéficos

Graças a QUANTEC® e a que temos evitado a substâncias tóxicas nas áreas relevantes foram instalados insetos benéficos como abelhas e joaninhas.

821_po_batata - Fig. 03.JPG

Conclusão

A biocomunicação com QUANTEC® é, sem dúvida, um bem extraordinário para a agricultura porque nesta área os  custos do material têm subido de forma que a sobrevivência das empresas é quase impossível. Com QUANTEC® foi conseguido com grande economia e, por sua vez, se obtiveram colheitas de alta qualidade. Além disso, QUANTEC® oferece suporte para a comercialização e distribuição de produtos agrícolas.

Uma vez que tivemos deixado atuar as energias sob os citros pudemos interromper imediatamente o uso de programas de pulverização com agrotóxicos recomendados. O único remédio que usamos foi uma mistura de óleo vegetal e petróleo para evitar piolhos e enxofre para afastar insetos. Ao tratar árvores individuais com o programa QUANTEC® pudemos obter uma taxa de sucesso média do 80%: antes do tratamento, estas árvores estavam em más condições e, após o tratamento se recuperaram totalmente.
Aproximadamente 20% das árvores começaram uma recuperação parcial e teve que continuar se com o tratamento. Das 11.000 árvores tratadas não se recuperaram apenas dois, que acabaram morrendo.


Com o aproveitamento da energia e da utilização do programa QUANTEC® nos últimos quatro anos dobramos nosso faturamento a cada ano. Não tivemos problemas com a comercialização e venda de nossos produtos a preços remuneradores. Mesmo tivemos vendido até produtos que antes tínhamos separado e descartado.


A implementação do programa na agricultura é um processo contínuo de aprendizagem durante o qual as mudanças estão na ordem do dia e aos que devem reagir se de forma correspondente. A interação entre o usuário e o alvo são de grande importância e exige total empenho e perseverança. No entanto, o resultado é sensacional.